Giro do Vale / Destaque / Polícia

Chacina em creche de Santa Catarina foi planejada, e autor agiu de forma consciente, diz a Polícia Civil

Jovem de 18 anos matou três bebês e duas professoras a facadas

Foto: Divulgação

A Polícia Civil de Santa Catarina confirmou, em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, dia 14, que Fabiano Kipper Mai, 18 anos, planejou a chacina na Escola Pró-Infância Aquarela, em Saudades (SC), e agiu de forma consciente.

Ele matou a facadas três bebês (Sarah Luiza Mahle Sehn, um ano e sete meses, Anna Bela Fernandes de Barros, um ano e oito meses, Murilo Massing, um ano e nove meses), e duas professoras (Mirla Amanda Renner Costa, 20 anos, e Keli Adriane Aniecevski, 30).

“A raiva dele era contra qualquer pessoa. Ele atacaria qualquer pessoa em algum momento e deixou bem claro que (a escolha pela escola Aquarela) foi pela fragilidade das vítimas do local” afirmou o delegado Jeronimo Marçal Ferreira.

De acordo com Ferreira, o autor da chacina tentou comprar arma de fogo, mas não conseguiu. O objetivo inicial de Mai, segundo a Polícia Civil, era atacar pessoas com quem ele convivia na escola. No entanto, sem arma de fogo, achou que não conseguiria enfrentar os colegas, então mudou o alvo: atacou a Escola de Educação Infantil.

O jovem teve alta do Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, no começo da manhã desta quarta-feira, dia 12, e foi transferido para o Presídio Regional de Chapecó. Ele prestou depoimento no hospital na segunda-feira, dia 10. O delegado disse que, na ocasião, Mai confessou o crime e afirmou que planejou a chacina sozinho.

Fabiano Kipper Mai foi indicado por cinco homicídios triplamente qualificados e uma tentativa de homicídio triplamente qualificado.

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Vítima morreu no local após acidente envolvendo sua moto e uma caminhonete

Vítima morreu no local após ser atingido por diversos disparos de arma de fogo

No Vale do Taquari a temperatura varia entre 7ºC e 21ºC

Este é o menor patamar desde 10 de fevereiro, quando havia 802 pessoas em estado grave no Estado