Giro do Vale / Cotidiano

Como fica a vida sexual da mulher após o câncer de mama?

Estamos em outubro, mês da campanha do Outubro Rosa, que enfatiza a importância da prevenção ao câncer de mama, aumentando muito a chance de cura da doença quando descoberta em fase inicial. O câncer de mama representa 25% dos novos casos de câncer a cada ano, são muitas mulheres em tratamento e muitas outras que já venceram o câncer. O alívio da cura é imensurável, mas para muitas mulheres a batalha continua, pois o câncer de mama deixa marcas difíceis de conviver, a principal delas diz respeito à vida amorosa e sexual da mulher.

Bem sabemos que o câncer deixa sequelas físicas e psicológicas, como a retirada de uma ou ambas as mamas, além da perda do cabelo durante o tratamento, e que isso representa uma ruptura na autoestima da mulher. A cicatriz mais profunda deixada pelo câncer diz respeito a imagem a pessoa passa a ter de si mesma, e não é difícil entender o porquê. As mamas, por exemplo, fazem parte de um simbolismo de feminilidade, sensualidade, beleza e também de maternidade. Você consegue imaginar como a mulher se sente sem a mama? Naturalmente ela sofre um grande impacto, como se a ausência do seio diminuísse seu potencial em relação aos papéis de mulher e de mãe. Essa nova imagem corporal gera insatisfação e não aceitação da perda da mama, quem dirá conseguir lidar com o que o outro pensa. A mulher se sente insegura, menos atraente, incapaz de seduzir, têm medo da reação do parceiro, e na maioria das vezes acaba se afastando para evitar o contato físico. Quando o relacionamento é baseado em aparências e exigências, pautado apenas na questão sexual e na imagem de um corpo belo, e mulher se sente diminuída e depreciada, logo o relacionamento acaba se desfazendo.

É óbvio que a mulher não é culpada pela doença que lhe acometeu, mas vivemos em uma sociedade que faz crer que a mulher deve se apresentar impecável para ser considerada uma boa mulher e uma boa mãe, e isso só dificulta a situação, gerando sofrimento, angústias, vergonha e medo do abandono. Diante do câncer, é fundamental que o parceiro esteja ao seu lado, acolhendo a dor, sendo paciente e transmitindo a segurança que ela precisa nesse momento. O relacionamento baseado na cumplicidade, confiança e diálogo terá condições de lidar com as dificuldades e se fortalecer, inclusive se reinventar se for preciso.

A mulher sempre busca a satisfação com seu corpo e sua imagem, por isso que a retirada da mama representa uma perda muito grande quando falamos de relação sexual, pois o seio é parte importante do prazer da mulher, além de fazer parte da sua imagem diante do outro. É inevitável que a relação sexual dê lugar ao distanciamento e medo, já que a mulher se sente incompleta para se despir ao parceiro e, por isso, acredita que não despertaria o interesse sexual dele. Para algumas mulheres, a vivência com o câncer transformou sua visão e sentido de vida, do futuro e do próprio relacionamento, inclusive melhorando a qualidade da sua experiência sexual, mas não é a maioria. Com isso fica evidente que a vivência afetiva da sexualidade, e não somente o ato sexual, faz diferença no enfrentamento do sofrimento da mulher. Quanto maior a reciprocidade, intimidade e cumplicidade do casal, maior a chance de superarem as dificuldades que o câncer impõe à mulher. Relacionamentos saudáveis se constroem com base no amor, respeito, carinho, confiança e diálogo, valores que fortalecem e aumentam o desejo da relação sexual, e isso ajuda a mulher a desconstruir a necessidade de uma imagem perfeita para seu parceiro.

O processo de retomada da vida sexual durante ou pós câncer é diferente para cada mulher, e isso dependerá de muitos fatores. Uma coisa é certa, a qualidade da vida sexual está relacionada ao quanto a mulher se sente amada, acolhida e protegida por seu parceiro, pois assim ela também se sentirá desejada e segura para viver o prazer da relação sexual.

Ainda não há comentários

Envie-nos o seu comentário

Publicidade

Últimas Notícias

Neste período, apenas a cidade de Novo Tiradentes não registrou mortes por conta da doença

O suspeito tem 29 anos e estava com mandado de prisão preventiva expedido

Temperaturas ficam agradáveis ao longo de todo o dia

Produtos estavam armazenados de forma irregular e fora da temperatura adequada, com prazos de validade vencidos ou sem prazos de validade, sem identificação e procedência, além de higiene precária