Giro do Vale / Destaque / Estrela / Geral

Estrelense, vítima do jogo baleia azul, estava prestes a cometer suicídio

Menina de 15 anos deixou o hospital, após ficar 12 dias internada.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Após 12 dias internada no Hospital Estrela, uma adolescente de 15 anos deixou a casa de saúde. Ela é vítima do jogo Baleia Azul. A menina estava próxima de cometer suicídio, mas acabou sendo descoberta a tempo por sua mãe, que evitou o pior.

Segundo a mãe, a adolescente começou a se envolver com o jogo através da rede social Facebook. “Eles (curadores) a convidaram para fazer parte de um grupo. Perguntaram suas características físicas, e então ela caiu”. Ela foi descoberta após entregar algumas joias para uma amiga, que acabou confidenciando para a mãe, e essa relatou para a mãe da vítima o que estaria acontecendo. A partir daí, a mãe entrou em contato com o Conselho Tutelar, que encaminhou a menor para atendimento na rede municipal de saúde.

A adolescente justificou sua participação no Baleia Azul por sofrer bulling na escola. A aluna do 8º ano de uma escola da rede municipal de ensino, disse que o seu peso corporal era motivo de humilhação. Segundo a mãe da garota, algumas pessoas “falavam que ela era muito magra e feia”.

Investigado em diversos países, o jogo é composto de 50 desafios no total. Eles são repassados para a vítima através das redes sociais. No caso da menina estrelense, as tarefas eram transmitidas pelo WhatsApp. Ela respondia com imagens que comprovavam a realização dos pedidos.

A 47ª tarefa realizada pela adolescente, foi a entrega de suas joias a uma amiga, que questionou a atitude. Foi quando revelou seu envolvimento no Baleia Azul. “A mãe dessa menina estava apavorada e me procurou. Contou o que estava acontecendo, já que ela havia relatado para a amiga. Ela se cortou, entregou as joias e iria se jogar de um prédio”, afirma. A menor confirmou a intenção, e disse que o suicídio estava marcado para o dia que sucedia a descoberta da mãe.

A mulher procurou a ajuda do Conselho Tutelar de Estrela, que encaminhou a menor para um posto de saúde. “Viram que ela estava cortada e com a mente perturbada”, garante. Foi conduzida para a ala de psiquiatria do Hospital Estrela, onde permaneceu por 12 dias. “Vamos fazer um teste em casa, porque a previsão era de até um mês de internação. Ela vai tomar medicamento e fazer acompanhamento no Centro de Atenção Psicossocial (Caps)”, explica.

Durante a internação, médicos pediram que a mãe ficasse atenta ao uso do aparelho celular, a fim de evitar um novo envolvimento. Adolescentes próximos a ela também estariam no jogo. “Na escola tem mais colegas com esse problema, mas ela tem medo de falar quem são”, afirma a mãe. A responsável garante que a menor está sendo ameaçada pelos curadores, que prometem matar toda a família. Ela nunca esteve com os curadores, visto que o contato só era feito pela internet.

O jogo

O Jogo da Baleia Azul é disputado pelas redes sociais e propõe desafios macabros aos adolescentes, como bater fotos assistindo a filmes de terror, automutilar-se, ficar doente e, na etapa final, cometer suicídio. Aparentemente começou na Rússia, mas há casos em suspeita em todo o mundo. Em 2016, fontes diversas chegaram a divulgar, sem confirmação, 130 suicídios supostamente vinculados a comunidades online identificadas como “grupos da morte”.

 

Grupo Independente

Comentários

  1. Evandro disse:

    Pq dizem q sao vitimas.vitima nada entrao nesse jogo pq queren acho q a pessoa q participa desse jogo e vai ate o fim tem q decha morrer mesmo pq sao muto otarios pessoas assim tao vendo em redes de noticias e internet sobre o jogo e assim mesmo jogao a vao capina q e melhor

  2. Anônimo disse:

    Isso ñ é um jogo e sim pessoas doentes interagindo nas fraquezas dos adolescentes.

Publicidade

Últimas Notícias

Foto: Divulgação

Vítima teria se perdido na curva e frente a empresa Fruki e caído.

Foto: Divulgação

Às 10h, o acidente estava em atendimento, sendo aguardada a realização de perícia.

Foto: Divulgação / Brigada Militar

Eles foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo.

Foto: Divulgação

Irmãs voltavam da missa, quando perceberam que o carro tinha desaparecido.