Giro do Vale

Giro do Vale

domingo, 16 de junho de 2024

Ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, é preso ao desembarcar no Rio

Ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, é preso ao desembarcar no Rio

Foto: Luis Macedo / Divulgação

A Polícia Federal prendeu, na madrugada desta quarta, dia 14, o ex-diretor Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Ele foi preso ao desembarcar no Aeroporto do Galeão, no Rio, segundo o Estadão, chegando de uma viagem a Londres. Cerveró é um dos principais envolvidos no caso da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Cerveró foi preso pouco depois da 0h30min, após a Justiça Federal decretar a prisão preventiva dele, acusado na Operação Lava-Jato e pelo risco dele continuar atuando de forma criminosa. Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) informou que cumpriu o mandado de prisão preventiva, já que “há indícios de que o ex-diretor continua a praticar crimes e se ocultará da Justiça”. O ex-diretor prestaria depoimento ao Ministério Público Federal do Rio nesta quinta.

O ex-diretor é réu em uma ação penal em Curitiba por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cerveró e Fernando Antônio Falcão Soares, o Fernando Baiano, são acusados de terem recebido R$ 30 milhões em propina de um dos executivos denunciados. Os dois seriam os responsáveis pelos valores arrecadados para o PMDB no esquema de carte e corrupção na Petrobras.

Edson Ribeiro, advogado de Cerveró, disse ter ficado surpreso com a prisão, já que as autoridades sabiam que ele viajaria e onde estaria. Ribeiro vai até Curitiba — para onde Cerveró será levado durante a manhã — nesta quarta-feira. Na madrugada, o ex-diretor vai permanecer em uma sala do aeroporto. O MFP justifica que “a custódia cautelar é necessária, também, para resguardar as ordens pública e econômica, diante da dimensão dos crimes e de sua continuidade até o presente momento, o que tem amparo em circunstâncias e provas concretas do caso”.

O MPF cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de Cerveró e parentes, “em função de seu envolvimento em novos fatos ilícitos relacionados os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro que foram denunciados recentemente”.

O ex-diretor, segundo o MPF, teria tentado transferir R$ 50 mil para a filha logo após o recebimento da denúncia e durante o recesso do Judiciário. Cerveró teria tentado transferir ainda três apartamentos de R$ 7 milhões por R$ 560 mil. Segundo o MPF, os imíveis foram adquiridos com recursos de origem duvidosa.

ZH

Compartilhe:

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados no momento.

Leia também