Giro do Vale

Giro do Vale

sábado, 20 de julho de 2024

Pimenta visita cidades afetadas pelas enchentes no Vale do Taquari

Foto: Divulgação

Durante este domingo, o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, visitou o Vale do Taquari com o objetivo de atender às principais demandas locais da região, atingida pelas fortes chuvas.

O roteiro percorre três municípios: Muçum, Arroio do Meio e Lajeado. Em Muçum, a comitiva, composta também pelo secretário executivo Maneco Hassen e pelo secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Wolnei Wolff, visitou locais mais impactados e se reuniu com lideranças locais e com a população para ouvir as solicitações mais urgentes.

“Estamos vendo com a Defesa Civil como o governo pode ajudar também na parte de infraestrutura”, adiantou Pimenta. Em seguida, a comitiva seguiu para Arroio do Meio, almoçou na cozinha solidária do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), visitou abrigos e atravessou para Lajeado, pela passadeira do Exército. Após visita a Ponte de Ferro, o ministro retorna a Porto Alegre.

Habitação e linhas de crédito

Pimenta reforçou que o governo federal está empenhado em garantir a reconstrução da infraestrutura no RS. As ações incluem reconstrução e aquisição de moradias, abertura de novas seleções do Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e leilão de quase duas mil unidades habitacionais pela Caixa e pelo Banco do Brasil.

O ministro comentou sobre a Medida Provisória assinada pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para financiar empresas em locais impactados por calamidades públicas. Foram anunciadas três novas linhas de financiamento que somam R$ 15 bilhões do Fundo Social, em apoio às empresas do Estado (incluindo as de grande porte).

“São algumas linhas de crédito que, somadas, envolvem recursos na ordem de 15 bilhões de reais. No caso dos investimentos para a compra de equipamentos, nós estamos trabalhando com uma carência de dois anos e um prazo de dez anos para pagamento com juros zero”, destacou o ministro. “Temos também uma linha de crédito para a área da construção civil, dos imóveis que foram destruídos. E temos também uma linha para capital de giro. Todas elas com juros negativos, com juros abaixo da inflação, com carências grandes e com grande prazo para pagamento”.

 

Correio do Povo
Compartilhe:

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados no momento.

Leia também