Giro do Vale / Destaque / Estado / Geral

Estado deposita mais duas parcelas da folha nesta quinta e na sexta-feira

Dinheiro da repatriação, de R$ 72,3 milhões, vai ajudar o Rio Grande do Sul no pagamento dos salários de outubro.

Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação

Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação

O dinheiro arrecadado no exterior pela lei da repatriação vai ajudar o Rio Grande do Sul a quitar a folha de pagamento do Executivo de outubro. Nesta quinta-feira, o Tesouro depositará R$ 700 na conta dos servidores e, na sexta-feira, mais R$ 1,5 mil.

Embora pequena, a fatia de R$ 72,3 milhões da repatriação destinada ao Estado (o total recolhido pela União é de R$ 46,8 bilhões) se juntará aos recursos da substituição tributária e ao ICMS da energia elétrica, combustíveis e telecomunicações, além do valor repassado do Fundo de Participação dos Estados. Até o fim desta semana, 70% da folha estará quitada.

Na segunda-feira, dia 14, entrará nos cofres públicos o ICMS do comércio. Como terça-feira é feriado, servidores receberão o saldo do salário de outubro na quarta-feira, dia 16, pela manhã. O governo deve encerrar o pagamento da folha na mesma data prevista inicialmente.

Mesmo com a interrupção do pagamento da dívida com a União, o que custava cerca de R$ 280 milhões mensais, é a nona vez seguida que o governo parcela os salários. A partir de Janeiro, reinicia-se progressivamente o repasse do Estado para o governo federal. Por mês, a folha do Executivo soma R$ 1,4 bilhão — fora os encargos, repasses das consignações bancárias e sindicais.

O problema do 13º

O problema a partir da próxima semana será a quitação do 13º salário dos funcionários públicos. Como não tem previsão de receita extra para o próximo ano, o governo não quer pagar o benefício com empréstimos individuais do Banrisul, como no ano passado.

O governador José Ivo Sartori e o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, esperam dinheiro da União para honrar o compromisso. Duas propostas já foram feitas ao presidente Michel Temer e ao ministro Eliseu Padilha, mas dificilmente serão aceitas. A primeira diz respeito ao ressarcimento de investimentos feitos em rodovias federais na época do governo Simon, calculados pela Secretaria da Fazenda em R$ 2 bilhões.

A segunda é um apelo ao BNDES, que apenas pode emprestar para investimentos públicos e a Estados saudáveis financeiramente. Mesmo assim, Feltes arriscou: pediu uma linha de crédito de R$ 1,6 bilhão para pagar investimentos abraçados pelo governo Sartori. Assim, o dinheiro reservado para tais despesas seria redirecionado para o pagamento do 13º.

 

Zero Hora

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Material estava em tonéis, e foi levado em ação que durou cerca de 5 minutos.

O suspeito, que já foi três vezes preso por furto em pouco mais de um mês, estava no interior do carro.

Veículo estava abandonado em uma rua do Bairro Pinheiros.

Decisões no mês de agosto fazem comissão técnica pensar em preservar jogadores importantes.