Giro do Vale / Estado / Política

Com veto de Temer, Rio Grande do Sul terá de pagar dívida com União a partir de janeiro

Secretário Giovani Feltes tentará defender carência em audiência em Brasília nesta quinta.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Com o veto do presidente Michel Temer ao programa de recuperação fiscal de estados, que é parte do projeto da renegociação das dívidas com a União, salvo reviravolta, o governo gaúcho terá de retomar o pagamento mensal do débito em janeiro.

A negativa do Planalto, que deve encaminhar nova proposta ao Congresso Nacional, se deu devido à flexibilização total aprovada pela Câmara dos Deputados em relação às contrapartidas exigidas dos governos estaduais para viabilizar o auxílio federal. A quitação das parcelas, de cerca de R$ 270 milhões por mês no caso do Rio Grande do Sul, estava suspensa desde julho em função de negociação anterior com o governo federal.

A retomada do desembolso será progressiva. Em janeiro, o Executivo gaúcho terá de quitar 5,5% do valor total da parcela, equivalente a aproximadamente R$ 15 milhões, além de R$ 40 milhões referentes ao período de abril a julho, em que o Estado ficou liberado dos pagamentos em função de liminar obtida no Supremo Tribunal Federal. A pendência referente a este período é superior a R$ 900 milhões, parcelados em 24 vezes de cerca de R$ 40 milhões.

Em fevereiro, caso o impasse em torno do novo projeto não tenha sido vencido, o serviço da dívida, somado ao passivo gerado pela liminar, ficará em R$ 60 milhões e, em março, R$ 75 milhões. Se a concretização de alternativa se arrastar no Congresso, ou não houver a derrubada do veto de Temer, a estimativa é que, no final de 2017, o Rio Grande do Sul esteja desembolsando algo próximo de R$ 160 milhões, considerando o serviço da dívida e a parcela de R$ 40 milhões do passivo recente.

Feltes tentará ampliar carência

Apesar do veto de Temer ao programa de recuperação fiscal, está mantida a audiência nesta quinta-feira, às 10h, em Brasília, do secretário da Fazenda, Giovani Feltes, com a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi. No encontro, Feltes irá defender que a carência no pagamento da dívida, que termina neste mês, seja estendida até que o Congresso vote o novo projeto que será encaminhado pelo Planalto.

O secretário irá sugerir ainda que o governo inclua diretrizes de contrapartidas a serem cumpridas, mas que deixe o detalhamento para as negociações caso a caso individuais que terão de ocorrer dos estados com o Tesouro Nacional. Feltes aproveitará a audiência para atualizar Ana Paula Vescovi sobre as ações de ajuste já adotadas pelo governo José Ivo Sartori e aprovadas pela Assembleia.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Três pessoas teriam sofrido ferimentos, mas sem gravidade.

Bando fez cordão humano com vítimas.

Alunas aprendem noções iniciais de informática, manuseio do mouse e teclado, editor de textos, internet e e-mail.

O recurso foi destinado pelo Deputado Federal Covatti Filho (PP) por solicitação da executiva municipal do partido.