Giro do Vale / País / Política

Condição de Brasília para empréstimos revolta estados

Gestores estaduais buscam garantias para encontrar recursos para investimentos.

Foto: Beto Barata / PR / Divulgação

Foto: Beto Barata / PR / Divulgação

A exigência do governo federal de que os estados executem o ajuste fiscal para só então receberem garantias da União para novos empréstimos criou um clima de revolta entre os governadores. O argumento dos Estados é de que o aval é um direito e uma necessidade para reativar as economias locais, não uma contrapartida às medidas. Essa é a segunda rebelião em relação às imposições da equipe econômica durante as negociações.

Na semana passada, governadores do Nordeste iniciaram um movimento para separar a discussão do ajuste das articulações para dividir o dinheiro da multa da repatriação com os estados. Um dia antes, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, havia dito que os valores seriam liberados conforme o cumprimento das medidas pelos governos estaduais.

Diante da insatisfação, o governo federal concordou em separar os assuntos, mas acenou com outra condição: a de que as garantias para novos financiamentos só serão concedidas após a execução das medidas de austeridade. O anúncio desse “instrumento de controle” deixou alguns governadores indignados com o governo, em especial com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, apurou o jornal Estado de S. Paulo.

As garantias para novos empréstimos são uma fonte de esperança para os governadores, que desejam ter dinheiro novo para realizar investimentos. A garantia da União, nesse caso, é importante para diminuir os custos da operação, uma vez que serve de seguro para a instituição financeira em caso de inadimplência. “O ponto a ser consensuado nesse momento é a questão dos empréstimos. O governo federal quer que as medidas sejam efetivadas primeiro para que depois os governos (estaduais) apresentem novos pleitos, a partir de janeiro”, disse nesta sexta-feira, o governador de Goiás, Marconi Perillo, em uma entrevista antes de encontro com Meirelles.

“A discussão é com relação aos Estados que já têm o pleito junto ao governo federal. Estamos propondo que pleitos até 31 de dezembro, que já estão em andamento, fiquem preservados”, afirmou o governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, na mesma ocasião. Segundo ele, os Estados não têm problema nenhum em firmar compromisso com o ajuste fiscal.

Havia esperança dos governadores de chegar a um consenso durante o almoço com Meireles nesta sexta-feira, 2, na residência oficial do governo do Distrito Federal. Mas, após o encontro, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou que ainda havia detalhes a serem acertados antes da conclusão da carta dos Estados, um sinal de que a questão não foi resolvida. Antes do impasse vir à tona, chegou-se a dizer que o documento seria divulgado ainda na quinta-feira. “O governo erra porque quer vincular essas reformas estaduais a direitos dos Estados”, afirma uma fonte que participa das negociações, na condição de anonimato.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Dia ainda começa com sol em alguns pontos e máximas chegam a 35°C

Cristiano Ronaldo, de falta, marcou o gol que deu ao time espanhol o sexto título

Programação ocorrerá no Bairro San Diego a partir das 17h.

Vinte e dois anos depois, o clube gaúcho tem nova chance de reconquistar o planeta.