Giro do Vale / Destaque / Geral / Vale do Taquari

Vale do Taquari se mostra contrário a concessão da BR-386

Audiência Pública da ANTT, no Teatro da Univates, teve manifestações da comunidade regional.

Foto: Juliano Beppler da Silva / Giro do Vale / Arquivo

Foto: Juliano Beppler da Silva / Giro do Vale / Arquivo

O projeto de concessão da BR-386 voltou a ser discutido na tarde desta quinta-feira, dia 16, no Teatro da Univates, em Lajeado. A audiência pública convocada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) teve ampla adesão da comunidade do Vale do Taquari, que lotou o auditório. Este foi o terceiro encontro para debater o tema. Nesta edição, foram abordados os investimentos e os serviços.

Um pacote de melhorias e de aplicações financeiras foi apresentado pelos representantes da ANTT e do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. O público pôde manifestar sua opinião. Foram recebidas 110 inscrições. O presidente da Assembleia Legislativa, Edegar Pretto (PT), antecedeu as falas. Ele se disse contrário ao texto original, e afirmou que irá trabalhar para que a concessão não avance.

Entre aplausos dos espectadores, o petista argumentou que “se o pedágio tivesse preços razoáveis e se as obras de duplicação da rodovia começassem imediatamente não haveria contrariedade”. Diferente do deputado, o secretário de Infraestrutura e Logística, Pedro Westfalen, defendeu o projeto e afirmou que o governo gaúcho não tem recursos para aplicar na melhoria das rodovias, por conta das dificuldades financeiras. O discurso foi vaiado pela plateia.

O antecessor de Westfalen, João Vitor Domingues, que atuou na pasta durante a gestão de Tarso Genro (2011-2014), também apoia a iniciativa, mas com ressalvas. Ele concorda que a parceria com o setor privado possa trazer benefícios econômicos e sociais: “diminui o custo logístico e a competitividade, gera empregos e reduz a acidentalidade”, diz.

Em contrapartida, aponta defeitos na concepção do projeto. “A tarifa do pedágio seria menor caso o eixo da BR-386, entre a BR-290 (Freeway) e a BR-101, tivesse sido colocado entre a BR-116 e o Porto de Rio Grande”, sustenta. Domingues coordenou a Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL), responsável pelo projeto, durante o governo de Dilma Rousseff (PT), que sofreu impeachment em agosto de 2016.

A presidente do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat), Cíntia Agostini, afirmou que o edital não atende as necessidades da região. Solicitou a formação de um grupo de trabalho, que avalie as propostas, bem como mudanças ao texto. Ela entende que o preço estimado para as praças “vai diminuir a competitividade econômica do Vale se comparado com as demais regiões do Estado”.

O prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo, também constatou que “o valor da tarifa não se mostra adequado”. A contrariedade à proposta dominou os discursos. A tarifa é calculada em R$ 6,20 na altura de Montenegro, R$ 9,70 em Fazenda Vilanova, R$ 8,40 em Soledade e R$ 7,60 em Tio Hugo.

Nesta sexta-feira, dia 17, será realizada uma audiência em Soledade. A ANTT vai receber as contribuições públicas até 31 de março. A fase de ajustes no edital segue até maio deste ano. O acolhimento da concessionária tem previsão para o primeiro trimestre de 2018.

Infraestrutura e Serviços

Representantes da ANTT e do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil apresentaram o projeto.
As melhorias a serem aplicadas nas rodovias foram apresentadas durante a audiência. Marcelo Fonseca, assessor do diretor geral da Agência, Jorge Bastos, garantiu que o projeto está sujeito a mudanças.
O trecho a ser concedido compreende a BR-101/SC, do km 455,9 até a divisa SC/RS; da BR-101/RS, entre a divisa SC/RS até o entroncamento com a BR-290 (Osório); da BR-290/RS, no entroncamento com a BR-101 (A) (Osório) até o km 98; da BR-386, no entroncamento com a BR-285/377 (B) (para Passo Fundo) até o entroncamento com a BR-448; e da BR-448, no entroncamento com a BR-386 até o entroncamento com a BR-116/290.

O investimento total em infraestrutura é estimado em R$ 7,9 bilhões, enquanto que o custo operacional está em R$ 5,3 bilhões. Devem ser duplicados 467,6 km, sendo que 260,3 km estão na área de abrangência do Vale do Taquari. Durante o período de concessão, que é de 30 anos, o retorno aos municípios do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) pode chegar a R$ 1,6 bilhões.

Pelo menos R$ 54 milhões devem ser investidos em pesquisa. Outros R$ 30 milhões são prometidos à Polícia Rodoviária Federal (PRF), para que sejam aplicados na aquisição de equipamentos e nas ações de fiscalização. O trecho será totalmente monitorado, através da colocação de 312 câmeras de monitoramento. Serão sete pontos de atendimento ao usuário.

 

Grupo Independente

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Criminosos levaram dinheiro do caixa, e não foram mais localizados.

Os proprietários possuem três lojas, e todas foram alvo de furto ou roubo nos últimos meses. 

As vítimas registraram as ocorrências na delegacia. 

Soldados subiram as escadas e, após tratativas, conseguiram agarrar o cidadão, evitando a queda.