Giro do Vale / Esporte / Inter

Guto quer Inter compacto, com marcação agressiva e controle do jogo

Treinador admitiu que precisará de tempo para implementar suas ideias.

Foto: Ricardo Duarte / Inter / Divulgação

Foto: Ricardo Duarte / Inter / Divulgação

Apresentado como novo técnico do Inter nesta quinta-feira, dia 1º, Guto Ferreira falou sobre seus conceitos de futebol. Ele explicou que ter o controle do jogo é algo que considera essencial em seus times. Para isso, ele acredita que sua equipe deve atuar de forma compactada, ter uma marcação agressiva e uma transição rápida, tanto para defender quanto para atacar.

“As equipes que dirijo têm como característica a compactação, marcação agressiva, jogo de transição rápida e a imposição de jogo”, disse Guto, que lembrou de um aprendizado que teve com o atual técnico da Seleção Brasileira Tite.

“Um cara que influenciou muito a minha carreira foi o Tite. Uma coisa que aprendi com ele foi ter o controle do jogo. A partir de quando é que vamos ver. Na Ponte Preta conseguimos, depois na Chapecoense e também no Bahia. O Inter me dá mais condições de ter isso”, avaliou.

Para colocar em prática seu estilo, Guto Ferreira pretende resgatar o passado do clube. O treinador citou que o Inter tinha esse controle de jogo em suas grandes conquistas. Para ele, a partida contra o Palmeiras já pode ter sido um começo dessa retomada.

“As grandes equipes do Inter tiveram isso, jogar se impondo, controlando o jogo, de forma intensa, com marcação agressiva e espírito guerreiro. Ontem foi assim. O Inter pode não ter tido o resultado que queria, mas teve espírito de Inter. Ontem pode ter sido um resgate desse estilo”, previu.

“Treinador é um ladrão de ideias”

Não apenas Tite serve como inspiração para Guto Ferreira. O novo comandante colorado citou diversos técnicos estrangeiros, entre eles os argentinos Marcelo Bielsa e Diego Simeone e os italianos Carlo Ancelotti, Arrigo Sacchi e Maurizio Sarri, como nomes que se inspira. Guto acredita que o ideal é mesclar as ideias de diversos técnicos para construir a sua.

“Sigo alguns conceitos do Bielsa, do Simeone. Gosto de algumas coisas do Guardiola. Até mesmo de alguns que não estão muito em pauta. O técnico do Napoli Mauricio Sarri é um exemplo. Tem tanta gente boa, Arrigo Sasshi, Angelotti. Não é um que vai te dar um modelo. O importante é você tirar ideias. Eu estive com o Lopetegue no Porto e a gente comentava. Ele me disse ‘não se preocupe, o treinador é sempre um ladrão de ideias’. O mais importante é saber em que momento a ideia te serve”, finalizou.

Esquema atual pode ser mantido

Em seus recentes trabalhos, na Chapecoense e no Bahia, Guto Ferreira montou as equipes no 4-2-3-1. O treinador, porém, disso que não  não tem um sistema tático fixo e indicou que pelo menos no início do trabalho dará sequência à atual forma de o Inter jogar tendo um tripé de volantes no meio-campo.

“Na Série B eu subi dois times jogando no 4-2-3-1. Na verdade eu joguei quase toda a competição com o Bahia no 4-2-3-1, mas depois o Régis entrou. Ele é mais um segundo atacante que meia. Então eram praticamente quatro atacantes. A nomenclatura do sistema de jogo não é o mais importante. Quanto ao que vou adotar no Inter, o modelo ideal será aquele que eu conseguir tirar o melhor de cada jogador. Pode ser esse que o Inter vem adotando agora. Se eu perceber que existe uma variação que possa transformar a equipe em mais forte, eu vou fazer”, disse.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Ele foi detido por uma guarnição da Brigada Militar (BM) na Estação Rodoviária, no Florestal, onde aguardava um ônibus.

Condutor do veículo que atropelou a vítima, deixou o local sem prestar socorro.

Tempo fica instável, mas sol aparece com nuvens em várias cidades.

Com decisão, ex-presidente seguirá preso para cumprir condenação no caso do triplex.