Giro do Vale / Esporte / Grêmio

Grêmio atropela o Barcelona no Equador e encaminha lugar na final

Tricolor goleou por 3 a 0 numa grande apresentação comandada por Luan

Foto: Lucas Uebel / Grêmio / Divulgação

Foto: Lucas Uebel / Grêmio / Divulgação

O Grêmio fez uma verdadeira apresentação de bom futebol, nesta quarta-feira no estádio Monumental Isidro Carbo, em Guayaquil, no Equador. Não só segurou a pressão inicial do Barcelona, como desfilou grandes passes seguidos de gols. Garantiu uma goleada de 3 a 0 diante de um caldeirão em amarelo e encaminhou um lugar na final. Um passo enorme rumo ao tri da Libertadores.

Com o resultado, o Tricolor pode perder por até dois gols de diferença, na Arena, e ainda assim avançar à decisão. No jogo da próxima quarta-feira, poderá comandar as ações e administrar em frente à sua torcida. Antes disso, a equipe encara o Avaí, em Florianópolis, pelo Brasileirão.

Tricolor segura a onda e abre o placar

O primeiro tempo foi acima de todas as expectativas para as metas do Grêmio. O Tricolor resolveu o placar em 20 minutos, calando a torcida equatoriana que lotava o estádio. Os donos da casa tentaram começar em altíssima velocidade, e até assustaram. Antes do ponteiro virar, Caicedo disparou na esquerda e cruzou com muito perigo. Ariel se antecipou e bateu com a canhota, mas mandou para fora.

Com a bola viva, Ramiro respondeu num chute forte, ainda no primeiro minuto de partida. Banguera espalmou e quase sobrou para Barrios, mas a zaga afastou. O Barcelona continuou perigoso e, aos 5, Vera driblou Geromel, invadiu a área e chutou com muito perigo, por sorte à esquerda da meta de Marcelo Grohe.

Mas o Grêmio acalmou a bola, começou a trocar passes e, dois minutos depois, abriu o placar. Arthur lançou Cortez na esquerda, o lateral driblou o zagueiro e cruzou rasteiro. A defesa afastou mal e Luan chegou chutando. Banguera se preparou para saltar na direita, só que o chute desviou em Arreaga traindo o goleiro, que assistiu a bola entrar para o 1 a 0.

Atrás no placar, os equatorianos aceleraram tudo o que podiam, mas cometeram erros e deram espaços para o Tricolor ameaçar. Aos 15, Fernandinho fez jogada ensaiada com Luan, no escanteio. Recebeu na quina da área e chutou muito forte para grande defesa de Banguera.

Grêmio é eficiente e amplia

Cinco minutos depois, Luan foi derrubado na intermediária, pela esquerda. Era longe, tudo indicava um chuveirinho na área. O ângulo era ruim, e a zaga estava lá na frente para cabecear. Mas Edílson pensou diferente. O lateral acreditou e enfiou o pé na bola. Um chute de três dedos passou pela barreira e fez a curva para o canto esquerdo. Quando Banguera enxergou, a bola já estava entrando rente ao poste esquerdo: 2 a 0.

Com grande vantagem fora de casa, o Grêmio recuou suas linhas e o Barcelona passou a empilhar jogadas aéreas. Aos 26, Oyola levantou, Ariel quase chegou para diminuir, mas Geromel deu um biquinho na bola para tirar. Kannemann completou com um balão para a frente.

Aos 30 minutos, Marcelo Grohe precisou trabalhar. Minda recebeu na direita e cruzou rasante. Caicedo se atirou de peixinho onde estaria a bola, mas o goleirão gremista subiu lá no alto e tirou de soco, de forma acrobática. Antes do intevalo, os donos da casa ainda ameaçaram em jogada de Esterilla. Ele cruzou com perigo, Ariel chegou desviando para o gol. Kannemann estava na frente para desviar.

O Barcelona trocou duas peças para tentar a recuperaça na etapa final. Marcos Caicedo e Mena entraram nos lugares de Esterilla e Vera. Aos dois minutos, quase deu resultado, mas um monstro estava sob o travessão gremista. Marcos Caicedo disparou na esquerda, se livrou de dois marcadores e cruzou na área. Damián Diaz aparou de calcanhar, mas Grohe teve reflexou para cair em cima da bola.

Goleada para coroar

O Grêmio tentou responder com Barrios, mas o paraguaio foi desarmado, gerando um contra-ataque fulminante. Mena recebeu na direita e cruzou na pequena área. Ariel estava a um passo do gol e disparou uma bomba. Grohe estava do outro lado da meta, correu, saltou e se esticou. Em milésimos de segundo, a mão do goleiro alcançou uma bola que parecia destinada ao 2 a 1. O camisa 1, então, protagonizou a maior defesa da Libertadores que praticamente valeu um gol.

E o 3 a 0 veio, aos seis minutos, numa grande combinação de Edílson e Luan. O lateral tabelou com o atacante e cresceu na linha de fundo. Driblou Marcos Caicedo e olhou para a área. Luan estava livre na marca do pênalti e recebeu o passe açucarado. Com tempo, enquadrou o corpo e mandou um chutaço no canto esquerdo, goleada sem chances para Banguera.

No desespero, os equatorianos apostaram todas as fichas na velocidade de Marcos Caicedo. Aos 14, ele quase criou a chance de descontar. Cruzou na área, Kannemann afastou de rosca e voltou para o lateral. Caicedo mandou no segundo pau e Oyola tinha toda a meta à disposição. Sem goleiro, chutou por cima.

O Grêmio respondeu em jogada de Luan, aos 19. O atacante abriu com Léo Moura, que substituiu um exausto Edílson na direita. O lateral descolou belo cruzamento para Barrios, que chutou de primeira, mas desviado.

A última cartada dos equatorianos foi Castillo no lugar de Ariel. E ele quase marcou, não fosse o pé de Geromel. Marcos Caicedo lançou Mena, que achou Castillo na área. O atacante girou e chutou, mas parou no pé do zagueirão.

O 4 a 0 quase veio aos 33 minutos. O Grêmio trocou passes na área do Barcelona. Luan para Fernandinho, para Arthur, que abriu com Ramiro. Veio o chute, que desviou caprichosamente à direita. Cansado, Barrios deu lugar para Cícero fazer sua estreia. O jogador contratado especialmente para a competição continental quase deixou sua marca. Aos 43, recebeu na entrada da área e disparou um míssil que passou tirando faísca do ângulo direito.

Ao apito final, a goleada era Tricolor, de quem já começa a pensar na passagem para a Argentina.

Libertadores – Semifinal

Barcelona EQU 0

Banguera; Beder Caicedo, Kunti Caicedo, Arreaga e Velasco; Minda, Oyola, Vera (Marcos Caicedo) e Esterilla (Ayoví); Damián Diaz e Ariel (Castillo). Técnico> Guillermo Almada.

Grêmio 3

Grohe; Edílson (Léo Moura), Geromel, Kannemann e Cortez; Jailson (Michel), Arthur, Ramiro e Luan; Fernandinho e Barrios (Cícero). Técnico: Renato Portaluppi.

Gols: Luan (7min/1ºT e 6min/2ºT) e Edílson (20min/1ºT).

Cartões amarelos: Barrios (G); Beder Caicedo (B).

Árbitro: Néstor Pitana (Argentina).

Local: Monumental Isidro Carmo, em Guaiaquil.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Material estava em tonéis, e foi levado em ação que durou cerca de 5 minutos.

O suspeito, que já foi três vezes preso por furto em pouco mais de um mês, estava no interior do carro.

Veículo estava abandonado em uma rua do Bairro Pinheiros.

Decisões no mês de agosto fazem comissão técnica pensar em preservar jogadores importantes.