Giro do Vale / País / Política

PMDB, PR e PSD não devem fechar questão a favor de Temer na 2ª denúncia

Integrantes do chamado “Centrão” também não devem fechar questão desta vez.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Partido do presidente Michel Temer, o PMDB não deve fechar questão, oficialmente, para obrigar seus deputados a votarem pela rejeição da segunda denúncia contra o presidente e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência). Integrantes do chamado “Centrão”, grupo de partidos médios da base aliada, PR e PSD também não devem fechar questão desta vez.

À reportagem, o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), justificou que a avaliação é de que não há necessidade de fechar questão novamente na segunda denúncia, uma vez que a legenda já fechou questão a favor de Temer na primeira. “O entendimento no partido e na bancada é de que, se fechou na primeira, isso vale automaticamente para a segunda”, disse. Ele admitiu, porém, que esse “entendimento” não está escrito oficialmente em nenhum documento.

Na primeira denúncia, o PMDB deu 53 votos a favor de Temer e seis contrários, além de uma abstenção e três ausências. Segundo Rossi, esse placar deve se repetir na votação da segunda denúncia no plenário da Câmara, prevista para esta quarta-feira.

Dessa vez, porém, terão um voto contra a menos: o deputado Sérgio Zveiter (RJ), que deixou o PMDB e se filiou ao Podemos. “Todos os outros cinco votos contra devem se manter”, disse o líder peemedebista.

Esses cinco deputados – Celso Pansera (RJ), Jarbas Vasconcelos (PE), Laura Carneiro (RJ) e Veneziano Vital do Rêgo (PB) -, além de Zveiter, chegaram a ser punidos pelo presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), por terem votado contra Temer.

Jucá suspendeu os parlamentares das funções partidárias por 60 dias. Com a suspensão, não puderam, por exemplo, participar das comissões técnicas da Câmara das quais são integrantes.

PR e PSD

Os líderes na Câmara do PR, José Rocha (BA), e do PSD, Marcos Montes (MG), também informaram à reportagem que seus partidos e bancadas não devem fechar questão nem a favor, nem contra Temer. Na primeira denúncia, as bancadas dos dois partidos fecharam questão a favor do

presidente, assim como o PP.

A reportagem não conseguiu contato com o líder do PP, Arthur Lira (AL), para saber como a bancada se posicionará na segunda denúncia.

No PR e PSD, a previsão dos líderes é de que o número de votos contra Temer pode até aumentar. “Já temos nove votos contra o presidente que são irrecuperáveis. Se vai ter mais votos ou não contra vai depender do cumprimento ou não da liberação (das emendas individuais impositivas). Se o governo não cumprir, pode ter problema”, afirmou Rocha. Na primeira denúncia, o PR deu 29 votos a favor e nove contra o presidente.

Lideranças governistas garantem, porém, que o Palácio do Planalto vai liberar emendas e nomear afilhados políticos de parlamentares para cargos no segundo e terceiro escalões do Executivo, para garantir os votos para barrar a denúncia. “O que tinha para fazer já fizemos. Agora é resolver a questão das emendas, que alguns deputados estão reclamando”, disse o líder do governo no Congresso Nacional, deputado André Moura (PSC-SE).

O governo prometeu ao deputado Ronaldo Carletto (PP-BA), por exemplo, nomear um aliado do parlamentar baiano para um cargo no Banco do Nordeste. De acordo com aliados de Carletto, a expectativa é de que a nomeação saia até quarta-feira, 25, dia da votação. Em troca da nomeação, o deputado votaria a favor de Temer. Na primeira denúncia contra o presidente, Carletto não participou da votação.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Ele foi detido por uma guarnição da Brigada Militar (BM) na Estação Rodoviária, no Florestal, onde aguardava um ônibus.

Condutor do veículo que atropelou a vítima, deixou o local sem prestar socorro.

Tempo fica instável, mas sol aparece com nuvens em várias cidades.

Com decisão, ex-presidente seguirá preso para cumprir condenação no caso do triplex.