Giro do Vale / Estado / Geral

Tradicionalista Paixão Côrtes morre aos 91 anos em Porto Alegre

Compositor, folclorista, radialista e pesquisador da cultura gaúcha estava internado desde julho.

Foto: Divulgação

Morreu na tarde desta segunda, aos 91 anos, o compositor, folclorista, radialista e pesquisador da cultura gaúcha João Carlos D’ávila Paixão Côrtes. Ele estava internado desde 18 de julho no Hospital Ernesto Dornelles, onde passou por uma cirurgia após sofrer uma queda e fraturar o fêmur. Conforme familiares, o folclorista faleceu às 16h em decorrência da saúde fragilizada e de complicações em função da idade. O velório será realizado na manhã desta terça, a partir das 10h, no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini. A família terá um momento reservado antes de o funeral ser aberto ao público. Governo do Estado, prefeitura e Câmara de Vereadores decretaram luto oficial de três dias.

Natural de Santana do Livramento, o engenheiro agrônomo por formação foi dedicado pesquisador da cultura, hábitos e costumes populares do Rio Grande do Sul e do Brasil, os quais registrou em dezenas de publicações e discos. Serviu de modelo, em 1954, para a Estátua do Laçador, obra do escultor Antônio Caringi instalada na zona Norte da Capital e escolhida, em 1992, símbolo de Porto Alegre. Paixão Côrtes nasceu em 12 de julho de 1927. Teve sua vida profissional ligada à Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, onde desenvolveu trabalhos relacionados com a ovinotecnia, com destaque para a introdução da tosquia australiana e a tipificação de carcaças.

Em julho do ano passado, o folclorista anunciou em carta seu afastamento da vida pública. O texto escrito por seu filho Carlos detalhou momentos importantes da vida de Paixão Côrtes, como em 1947, quando liderou os estudantes que fundaram o Departamento de Tradições Gaúchas do Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos em Porto Alegre, célula-mater do Movimento Tradicionalista Gaúcho. “Esse núcleo estudantil foi o centro agregador para um grupo de jovens que protagonizaram pioneiramente momentos marcantes na história do tradicionalismo”, destaca a carta.

Especial 90 anos

O folclorista participou ainda de uma série de solenidades culturais e cívicas que deram origem aos símbolos da Chama Crioula e do Candeeiro Crioulo e que inspiraram a criação da Semana Farroupilha, além de ajudar na fundação do “35 Centro de Tradições Gaúchas”, o primeiro CTG. Recebeu a Medalha Negrinho do Pastoreio como reconhecimento por serviços prestados à cultura e a Medalha Assis Brasil em destaque por seu trabalho em prol da agropecuária.

Profissionalmente realizou cursos sobre tradição, folclore e danças tradicionais, ensinou professores em especializações em faculdades, realizou espetáculos de danças e, como radialista, utilizou seus programas, ao longo de quatro décadas para propagar seus estudos e para oportunizar espaço para manifestação da cultura popular do homem do campo. Seu trabalho deu origem aos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) e consequentemente ao Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG).

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Homem é apreendido com crack em Teutônia

Próximo a ele, enterrado em um monte de saibro, foram localizadas 21g de cocaína e 221g de maconha

Motoqueiro colidiu na lateral do automóvel na Avenida Benjamin Constant

Apostas podem ser feitas até às 19h

Escolas, creches e postos de saúde permanecerão com expediente normal