Giro do Vale / Estado / Geral

Tradicionalista Paixão Côrtes morre aos 91 anos em Porto Alegre

Compositor, folclorista, radialista e pesquisador da cultura gaúcha estava internado desde julho.

Foto: Divulgação

Morreu na tarde desta segunda, aos 91 anos, o compositor, folclorista, radialista e pesquisador da cultura gaúcha João Carlos D’ávila Paixão Côrtes. Ele estava internado desde 18 de julho no Hospital Ernesto Dornelles, onde passou por uma cirurgia após sofrer uma queda e fraturar o fêmur. Conforme familiares, o folclorista faleceu às 16h em decorrência da saúde fragilizada e de complicações em função da idade. O velório será realizado na manhã desta terça, a partir das 10h, no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini. A família terá um momento reservado antes de o funeral ser aberto ao público. Governo do Estado, prefeitura e Câmara de Vereadores decretaram luto oficial de três dias.

Natural de Santana do Livramento, o engenheiro agrônomo por formação foi dedicado pesquisador da cultura, hábitos e costumes populares do Rio Grande do Sul e do Brasil, os quais registrou em dezenas de publicações e discos. Serviu de modelo, em 1954, para a Estátua do Laçador, obra do escultor Antônio Caringi instalada na zona Norte da Capital e escolhida, em 1992, símbolo de Porto Alegre. Paixão Côrtes nasceu em 12 de julho de 1927. Teve sua vida profissional ligada à Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, onde desenvolveu trabalhos relacionados com a ovinotecnia, com destaque para a introdução da tosquia australiana e a tipificação de carcaças.

Em julho do ano passado, o folclorista anunciou em carta seu afastamento da vida pública. O texto escrito por seu filho Carlos detalhou momentos importantes da vida de Paixão Côrtes, como em 1947, quando liderou os estudantes que fundaram o Departamento de Tradições Gaúchas do Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos em Porto Alegre, célula-mater do Movimento Tradicionalista Gaúcho. “Esse núcleo estudantil foi o centro agregador para um grupo de jovens que protagonizaram pioneiramente momentos marcantes na história do tradicionalismo”, destaca a carta.

Especial 90 anos

O folclorista participou ainda de uma série de solenidades culturais e cívicas que deram origem aos símbolos da Chama Crioula e do Candeeiro Crioulo e que inspiraram a criação da Semana Farroupilha, além de ajudar na fundação do “35 Centro de Tradições Gaúchas”, o primeiro CTG. Recebeu a Medalha Negrinho do Pastoreio como reconhecimento por serviços prestados à cultura e a Medalha Assis Brasil em destaque por seu trabalho em prol da agropecuária.

Profissionalmente realizou cursos sobre tradição, folclore e danças tradicionais, ensinou professores em especializações em faculdades, realizou espetáculos de danças e, como radialista, utilizou seus programas, ao longo de quatro décadas para propagar seus estudos e para oportunizar espaço para manifestação da cultura popular do homem do campo. Seu trabalho deu origem aos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) e consequentemente ao Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG).

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Condutor de um dos veículos envolvidos, fugiu do local

Ações foram na madrugada desta sexta, dia 19, na região central

Moto bateu em carro que estava parado, e condutor não resistiu aos ferimentos

Brigadiano teve fratura frontal do crânio. Ele está internado na UTI. Fato ocorreu após o Gre-Nal