Giro do Vale / Saúde

Argentina começa a vacinação contra Covid-19 com a Sputnik V

País se tornou o primeiro da América Latina a inocular sua população com o imunizante do laboratório russo Gamaleya

Foto: Divulgação

A Argentina iniciou uma campanha de vacinação contra a Covid-19 com a aplicação da SputnikV e se tornou o primeiro país da América Latina a inocular sua população com o imunizante do laboratório russo Gamaleya. O plano começou de forma simultânea em todo o país e tem como prioridade voluntária os profissionais da saúde. “A ideia é começar a vacinação com os que estão mais expostos ao risco. É realmente épico fazer a maior campanha de vacinação da Argentina com igualdade de acesso”, disse o ministro da Saúde Ginés González García, ao iniciar o processo no Hospital Posadas de Buenos Aires.

Neste hospital, a médica de UTI Flavia Loiacono foi a primeira pessoa a receber a Sputnik V. A Argentina é o quarto país latino-americano que começa a vacinação contra a covid-19, depois do México, Costa Rica e Chile, que aplicam a vacina do laboratório Pfizer. “Teremos que continuar nos cuidando porque, até que a vacina faça efeito em nível comunitário, vão passar alguns meses”, alertou o ministro. 

O presidente Alberto Fernández afirmou que a população local “tem muita confiança” no imunizante e que todos desejam ser vacinados. Para ele, há uma disputa “muito perversa, dura e infame” entre os países, “na qual uns desacreditam os outros” nessa questão. “Há uma guerra comercial desatada e, como o mundo deseja essa vacina, também uma disputa geopolítica sobre quem impõe sua vacina”, criticou.

A Sputnik-V prevê uma segunda dose para ser aplicada 21 dias após a primeira. A primeira remessa com 300 mil doses chegou da Rússia na Argentina em 24 de dezembro. O acordo contempla outras 19,7 milhões de doses que serão entregues entre janeiro e fevereiro, com a possibilidade de comprar mais cinco milhões.

Para imunizar sua população, a Argentina lançou uma campanha que contará com 116 mil enfermeiros em 7.749 estabelecimentos e a colaboração de outros 10 mil voluntários. O país registra desde março mais de um milhão e meio de contágios e 42.868 mortos. Também assinou também outros de fornecimento de vacinas com a Universidade de Oxford associada com a farmacêutica AstraZeneca e com o mecanismo Covax da Organização Mundial da Saúde (OMS). Também negocia a chegada do produto da Pfizer/BioNTech. O governo planeja adquirir um total de 51 milhões de doses de vacinas. 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Cerca de 155 agentes cumpriram 30 mandados judiciais em 12 cidades gaúchas, tendo como alvos também a caça ilegal e o tráfico de armas

Com bastante nebulosidade e tempo instável, a temperatura varia pouco

Foi descartado qualquer tipo de sinal de violência no corpo da criança

Foi a quinta vez consecutiva que prêmio não teve seis acertadores