Giro do Vale / Destaque / Saúde

Projeção é de que vacina 100% brasileira comece a ser aplicada em fevereiro, diz Ministério da Saúde

Fiocruz já tem insumos suficientes para produzir mais de 20 milhões de doses do imunizante contra Covid-19

Foto: Behrouz Mehri / Reuters

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira, dia 12, que as primeiras doses da vacina contra Covid-19 100% nacional começarão a ser aplicadas na primeira semana de fevereiro. Segundo o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) já tem IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) suficiente para produzir mais de 20 milhões de doses da vacina 100% brasileira.

“Este é um passo que o Brasil dá na autossuficiência das vacinas contra a Covid-19 e para também, quem sabe, passar a ser um exportador de vacina e um supridor desse insumo para toda a América Latina. Vimos no começo do ano passado o quão importante é investir no parque industrial de saúde no Brasil. Esse passo sinaliza a independência para a produção desse insumo, que se mostrou fundamental no enfrentamento à pandemia”, afirmou.

O registro do insumo foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na última sexta-feira. Até o momento, as mais de 120 milhões de doses da vacina AstraZeneca distribuídas e aplicadas durante a campanha de vacinação contra a Covid-19 foram produzidas na Fiocruz com IFA importado. 

A produção do IFA em solo brasileiro só foi possível porque, em junho de 2021, AstraZeneca e Fiocruz assinaram um contrato para a transferência da tecnologia. Para aprovar o IFA 100% brasileiro, a Anvisa fez diversos estudos de comparabilidade, analisando se a vacina teria o mesmo desempenho que a desenvolvida no exterior.

“Em 2019, o governo federal adotou uma estratégia de diversificação de vacinas e de tecnologias. Uma delas foi a assinatura de um contrato entre Oxford e Fiocruz que resultou na transferência de tecnologia. Um investimento de R$ 1,9 bilhão para que a Fundação se preparasse para esse fim”, ressaltou o secretário-executivo, que comentou ainda a celeridade de todo o processo.

“Algo que demora, em regra, 10 anos, levou apenas um ano para que pudéssemos transferir a tecnologia e começar a produzir a vacina 100% nacional”, contou Rodrigo Cruz.

Como resultado, os estudos comprovaram que o insumo mantém a mesma eficácia do produto importado. Desde maio de 2020, a Fiocruz vem produzindo diversos lotes testes que foram submetidos a análises da Anvisa, que já havia feito a Certificação de Boas Práticas de Fabricação do novo insumo, o que garante que a linha de produção cumpre com todos os requisitos necessários para a garantia da qualidade do IFA.

“A vacina com o nosso IFA passou por vários processos de controle de qualidade, quando na semana saiu a aprovação da agência reguladora e a liberação para a fase final de distribuição. O imunizante já está incorporado ao Sistema Único de Saúde e o brasileiro mostrou que tem uma cultura de se vacinar. Mais de 90% do público-alvo já tomou a primeira dose e mais de 80% tomou a segunda dose. Diante disso, a produção da vacina em solo brasileiro vai suprir essa demanda”, finalizou.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Crime foi registrado no Bairro Vale dos Pinheiros

As duas vítimas fatais estavam em uma Parati com placa de Cruzeiro do Sul

Estado também terá o avanço de ar frio e seco neste final de semana

Após vitória com autoridade, Colorado é terceiro colocado, com 24 pontos e segue na caça aos líderes da competição